Corações de Pedra

23-03-2010 11:24

Fazem lembrar aqueles frios e estáticos monumentos

paralisados pelo tempo passado, colado ás memórias antigas.

Que vivem para representar, insensíveis ao vento, à chuva e ao calor,

que aguentam firmes inúmeras intempéries, inalteráveis...e no entanto,  

insensíveis ao toque suave da mão daquele que passa e comtempla a sua beleza,

surdos ao chilreio das aves que deles fazem pouso...

Corações de pedra,

endurecidos pelo passar dos anos,

mutilados pelo fustigar da vida

desumanamente insensíveis ao Ser,

seu semelhante,que chora, que grita padece de dor

diante dos seus olhos,

cegos demais pelo egocentrismo.

Corações de carne...

Pedras transformadas, pelo poder de uma aliança de Amor.

Amaciadas por Aquele que chorou ao ver a desgraça de uma vida perdida.

Que parou para ouvir o clamor angustiado da estrangeira que implorava a cura da filha,

que se enterneceu com a tristeza da viúva, que perdeu o filho... e o devolveu à vida,

que tocou os olhos do cego... e os abriu.

Aquele que se enchia de compaixão, pela miséria humana...e se dava em seu favor.

 

Mais corações de carne!

O mundo clama, corações capazes de sentir o sentimento do outro,

de chorar com os que choram e de rir com os que riem,

de estender a mão ao aflito, de se esforçar para levantar o caído...

Corações cheios de simpatia,

vazios de amargura; cheios de compaixão,

vazios de crítica;

Mais corações de carne...

Nascidos de uma aliança feita por Deus com o Homem,

PRECISAM-SE!

 

Lídia Ferreira

Acção de Formação

Comacep, Outubro de 2004